domingo, 10 de dezembro de 2017

Ladainha de Santa Luzia


















Senhor, tende piedade de nós. 
Cristo, tende piedade de nós. 
Senhor, tende piedade de nós. 
Jesus Cristo, ouvi-nos. 
Jesus Cristo, atendei-nos. 
Deus Pai dos Céus, tende piedade de nós. 
Deus Filho, Redentor do mundo tende piedade de nós. 
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós. 
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós. 

Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós. 
Santa Luzia, Virgem de pureza, 
Irmã dos pobres, 
Amiga dos jovens, 
Que comungou nas catacumbas, 
Que participou das Santas Missas, 
Grande ouvinte da Palavra de Deus, 
Praticante do Evangelho de Jesus, 
Modelo de oração, 
Exemplo de humildade, 
Bela exteriormente e interiormente, 
Cheia de virtudes, 
Iluminada pelo Espirito Santo, 
Desapegada das honras do mundo, 
Testemunho diante dos pagãos, 
Que oraste diante do túmulo de Santa Ágata, 
Que curaste a sua mãe, 
Que entregou sua virgindade a Cristo, 
Consagrada a Deus, 
Devota da Virgem Maria, 
Estrela em sua cidade, 
Que acolheste o Batismo com seriedade, 
Sorridente para todos, 
Esposa de Jesus Cristo, 
Amor ardente pelo Salvador, 
Que não negaste nenhum favor ao próximo, 
Que praticaste a caridade com alegria, 
Que distribuiste os bens aos pobres, 
Que amaste a Deus acima de tudo, 
Que observaste os Mandamentos, 
Lírio de pureza, 
Flor de bondade, 
Corajosa no martírio, 
Firme na prisão, 
Jovem sem medo diante dos carrascos, 
Vencedora das tentações, 
Que não negou sua fé em Jesus, 
Que escapaste ilesa do fogo, 
Que tiveste os olhos arrancados, 
Que tiveste o pescoço transpassado pela espada, 
Protetora dos olhos, 
Protetora dos cegos, 
Protetora da nossa visão corporal, 
Protetora da nossa visão espiritual, 

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor. 
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor. 
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. 

Rogai por nós, Santa Luzia, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. 

Oremos: Oh Deus, que fizeste Santa Luzia de Siracusa a protetora da visão corporal e espiritual, ajudai-nos a seguir seu exemplo e virtudes, para que possamos gozar de vossa visão celestial na vida eterna, onde reinais com o Filho e o Espírito Santo. Amém.

domingo, 3 de dezembro de 2017

Vida de São Damião de Molokai

Nascimento e infância: São Damião de Molokai nasceu em 3 de janeiro de 1840, em Tremelo, Bélgica, sendo batizado com o nome de Josef de Veuster, de pais muito católicos com o total de 8 filhos. Rezavam todos os dias, iam à Missa em todos os domingos e guardavam os dias santos. Eles moravam na zona rural da cidade e Josef e alguns dos irmãos ainda crianças já pensavam em vocação religiosa. Os pais eram contra e eles dizia: “Deixem-me entrar num convento ou Deus os castigará.” 
Entrada na Congregação: Aos 18 anos, Josef entrou para a Congregação dos Sagrados Corações, em 1859 adotando o nome de Damião. Desejava ser um sacerdote missionário, inspirado por São Francisco Xavier e rezava diariamente diante da imagem desde Santo no convento. Professou os votos usando a imposição de um tecido mortuário colocado por quatro religiosos com quatro velas, simbolizando a morte do religioso para a vida mundana e o nascimento para a vida missionária. Os superiores viram que Damião tinha inteligência para ser sacerdote e lhe permitiram fazer todos os estudos necessários. Ele se aprimorou também em outros idiomas e aguardava a ordenação. 
Ida para o Havaí: Em 1864, aos 24 anos, seu irmão adoeceu e não pôde ir como missionário para o arquipélago do Havaí que precisava muito de missionários. O superior deixou que Damião fosse no lugar do irmão. Ele ficou muito feliz e ao se despedir de sua mãe antes da viagem, como se pressentisse que nunca mais voltaria a vê-la, disse: “Adeus, mamãe, até o Céu.” Eram muito desconfortáveis e perigosas as viagens de barco até o Havaí, mas Damião não reclamava de nada. 
Missionário no Havaí: Chegaram ao arquipélago do Havaí em 19 de março de 1864 e no dia 21 de maio, o frei Damião foi ordenado sacerdote na igreja Nossa Senhora da Paz. Ele conta: “Como eu tremia ao subir pela primeira vez ao Altar! Como estava emocionado meu coração ao dizer pela primeira vez ao Verbo que descesse às minhas mãos! Que afetos então sobrenaturais e diferentes para mim ali se formavam ao distribuir, em minha primeira Missa, o Pão da Vida a 150 ou 200 pessoas, das quais muitas provavelmente se haviam inclinado freqüentemente ante seus antigos ídolos e que agora, totalmente vestidas de branco, se aproximavam com tanta modéstia e respeito à Santa Mesa.” O padre Damião começou sua missão percorrendo todo o Havaí, pregando o Evangelho, ajudando o povo, construindo capelas. Enfrentou muitas dificuldades e o sacrifício das grandes distâncias do país. Ele escreveu: "Eu amo meus pobres canaques por causa de sua simplicidade e faço tudo o que posso por eles.”  
Ida para a ilha de Molokai: Em uma reunião em 1873, o bispo do Havaí pediu a alguns padres para se oferecerem como voluntários na ilha de Molokai, onde os leprosos viviam. Seriam voluntários em revezamento, ficariam uns tempos, depois sairiam de lá. Padre Damião tinha 33 anos na ocasião e se ofereceu para ser um dos voluntários. Na ilha só habitavam leprosos, mandados para lá viverem isolados até a morte. As condições eram péssimas: falta de água, de alimentos, de energia elétrica, de esgoto e outras coisas. As moradias eram precárias e velhas. A maioria nem tinha um colchão para dormir. O governo não enviava a ajuda necessária e os leprosos sofriam esquecidos com sua doença. Morriam cheios de feridas, dores e seu próprio mau cheiro. A ilha era um lugar tão terrível que aqueles que a conheceram chamaram de “cemitério vivo”, “colônia da morte” e “inferno de vivos.” Todos deixavam que alguém resolvesse o problema daquele lugar. Nenhum missionário nem sacerdote queria ficar ali sempre. Padre Damião seria aquele que iria e não mais voltaria de lá. Ao chegar na ilha, um dos leprosos lhe disse: "Tenha em mente, padre, que você poderá pegar minha doença." Mas ele respondeu: "Meu filho, se a doença tirar meu corpo, Deus me dará outro." Ao desembarcar, ele rezou: “Jesus, tu terminaste tua vida aos 33 anos. Eu começo a minha aos 33 anos. Ajudai-me. Peço tua proteção.” A igreja estava abandonada e empoeirada. Ele limpou toda a poeira e o Altar para celebrar a primeira Missa. Alguns poucos moradores entraram para a primeira celebração. Após celebrar a Missa, um garoto lhe pediu: “Posso ser seu coroinha? Eu era antes de pegar lepra. Prometo que tocar em nada, nem no cálice.” Padre Damião disse: “Seria uma ajuda maravilhosa. Pode vir amanhã. Vamos fazer um contrato formal.” E dizendo isso, estendeu sua mão e pegou na mão do menino. O menino hesitou em pegar na mão do padre, pois não pegava na mão de ninguém havia muito tempo. Tocou na mão do padre, que apertou bem a sua com as duas mãos, causando ao garoto, um lindo sorriso de quem recebeu amor. Padre Damião escreveu: “Sou o missionário mais feliz do mundo. Minha maior felicidade é servir o Senhor em seus filhos doentes, rejeitados pelos outros homens. Estou tentando levá-los todos a caminho do Céu. A única felicidade da vida é fazer bem aos outros." E também: “Entrego-me à Divina Providência e encontrei o meu único consolo no meu companheiro que não me deixa, isto é, nosso Divino Salvador na Sagrada Eucaristia. É ao pé do Altar que muitas vezes confesso e busco alívio das dores interiores. É diante da imagem da nossa Santa Mãe, que às vezes murmuro, pedindo a preservação da saúde.” 
Carinho com os leprosos: Os leprosos não tinham muito o que fazer e viviam em grande lamentação e se entregavam aos vícios, agressividade uns com os outros e muitas orgias. Uma mulher disse que sua filha estava sendo abusada por outros homens, coisa que acontecia sempre com muitos leprosos. Padre Damião entrou lá e chamou as moças dali. As pessoas lhe disseram: “Deixe-nos viver em paz. Ninguém se importa conosco.” Padre Damião disse: “Mas eu me importo. E Deus também se importa. E isso não é modo de se viver.” Um dos leprosos o beijou no rosto. Padre Damião o abraçou com carinho e disse: “Eu posso sentir o seu sofrimento no meu coração. Deus existe. Eu sei disso. E se você acredita Nele, pode senti-lo.” No outro dia, havia mais pessoas presentes na Missa. Ele disse: “Meus amigos leprosos, estamos aqui na presença de Deus em busca de conforto, para sermos lembrados do seu amor por nós, para reviver nesta Missa o sacrifício de seu Filho por nós na Cruz e para estarmos todos um dia reunidos no Paraíso. Eu não tenho a doença que os mandou a Molokai. Mas quero lembrar que todos sentem solidão. Todos conhecem o isolamento e a solidão. Todos são acometidos em seus corpos ou em seus corações por feridas que os tornam marginalizados. Marginalizados para todos, menos para Ele. Cristo, que em sua passagem pela Terra curou os cegos. Ele curou os leprosos. Não para mostrar que aqueles homens deixariam de serem cegos e leprosos, mas para mostrar que perante os olhos Dele, os cegos podiam ver. E a lepra pode ser curada. Ele amou, assim como ama toda a Humanidade. Tanto na Cruz onde morreu e como hoje Ele participa de nossas agonias. E seguindo sua luz, Ele nos mostrará o caminho da paz.” Um homem foi se confessar com o padre. Ele lhe disse: “Estou cego. Tenho pecados demais para lembrar de tudo.” O padre lhe disse: “O sofrimento de Cristo na Cruz foi para tirar o fardo do seu pecado. Há muitas pessoas neste mundo que têm olhos, mas não enxergam. Talvez você encontre seu caminho na escuridão.” 
Melhorias para a ilha: O bispo tinha muito carinho pelo Padre Damião e disse que ele poderia sair da ilha para revezar com outros sacerdotes, mas ele não quis sair de maneira nenhuma. Padre Damião pediu para serem enviados muitos materiais de construção para a ilha dizendo: “Não vou dormir sob um teto seguro sem que todos os moradores da ilha também durmam assim.” A notícia deste padre que estava arriscando pegar lepra para ajudar os leprosos se espalhou pela imprensa do mundo inteiro. Um dos jornais da época publicou: “O herói-cristão: jovem sacerdote sacrificou sua vida pelos habitantes de Molokai.” Padre Damião disse: “Este lugar precisa de um padre residente. Muitos barcos chegam cheios de doentes. Muitos deles são agonizantes. Eu quero ficar.” O bispo, então, dá permissão de Padre Damião ficar até nova ordem, mas o lembra de nunca tocar nas pessoas. Um padre o considerou como orgulhoso, insano e arrogante. Padre Damião não ficava calado diante das necessidades e horrores da ilha. Ele escreveu uma carta para o governo dizendo que os suprimentos alimentares e outros enviados para a ilha estavam muito abaixo do necessário. As autoridades não gostaram disso. Ele saiu da ilha por uns dias dizendo que não deram atenção para sua carta nem atenderam seus pedidos. O primeiro ministro lhe disse que não precisaria voltar mais para a ilha. Ele disse: “Eles precisam de mim lá. Preciso sair para me confessar com algum outro sacerdote quando tiver necessidade.” 
O leproso protestante: Alguns habitantes da ilha eram protestantes. Um deles estava muito mal. Padre Damião lhe ofereceu a Confissão e Unção dos Enfermos dizendo: “Você não deve morrer antes de se converter.” O protestante lhe perguntou: “Você acredita que somente os católicos vão para o Céu?” O padre respondeu: “Não tenho certeza absoluta. Mas eu sei que os católicos podem ir para o Céu.” O protestante disse que não deveria ficar tocando em leprosos nem comendo com eles. O padre disse: “Eu tenho medo. Mas deixo minha saúde nas mãos de Deus e da Virgem Maria. Eles me protegerão enquanto precisarem de mim aqui.” O leproso o perguntou por que se tornou missionário. Ele respondeu: “Foi minha irmã. Eu era o caçula e ela cuidou de mim até que eu pudesse me virar sozinho. Eu a amava muito. Ela se tornou freira e morreu enquanto cuidava de doentes durante uma epidemia de tifo.” O leproso protestante lhe disse: “Que a Virgem Maria te livre de pegar lepra. Quero morrer aqui na beira da praia. Aqui vejo o mar e o mundo, os familiares e amigos que perdi e se esqueceram que ainda estou vivo.” Aquele leproso protestante começou a morrer e não queria se confessar nem receber a Unção dos Enfermos. Padre Damião lhe disse: “Às vezes eu rezo. Às vezes eu suplico. Às vezes eu reclamo com raiva do risco de me encontrar com Deus sem ter todos os meus pecados perdoados. Você deve se dar conta do perigo. Agora quero que peça a absolvição.” O leproso lhe perguntou: “Você não quer que o meu último gesto em vida seja falso?” Padre respondeu: “Não. Eu quero a verdade. Eu imploro. Permita que eu lhe dê a Unção dos Enfermos.” O agonizante disse: “Você é teimoso, Damião. Foi eu que recusei. Vou falar bem de você do outro lado.” O homem faleceu nos braços do padre. 
Cuidados com os leprosos: Em outro dia, o padre aconselhou: “É preciso curar o espírito se quiser curar o corpo.” Um médico lhe perguntou na ilha: “Você acha que o espírito pode curar a lepra?” O padre respondeu: “Cristo curou os leprosos.” O médico lhe perguntou: “E eu ou você, poderemos curar?” O padre disse: “Não sem um milagre. Deus pode te proteger nesta ilha se Ele quiser.” Um médico levou à ilha um medicamento que fazia bom efeito na lepra em outros países. Um dos meninos não queria tomar. Padre Damião, então, tomou também o remédio e disse que era muito gostoso. O garoto, então, resolveu tomar. Alguns leprosos cheiravam tão mal que era necessário o padre e os médicos fumarem caximbo para conseguir se aproximar. Havia uma cabana reservada para os leprosos agonizantes. Padre Damião sempre os visitava, levava comida que não podiam mais buscar e rezava o Terço ali. Ao chegar junto a um agonizante, disse: “Deus amado. O teu amor é eterno. Não renegue a obra de tuas mãos, mas receba esta criança no Paraíso.” A menina faleceu e o padre a enterrou com um digno funeral. A ilha não tinha conforto nem atrativo algum e padre Damião não saia mais de lá. O sofrimento era ouvido por toda a parte, choros e lamentações, mas ele queria sempre ficar. Não conseguia abandonar seus leprosos. Quando algum leproso morria, ele mesmo arrumava madeira e fazia um caixão, dando a todos um digno enterro e velório com orações. Um dia lhe perguntaram: “Padre, você pretende ficar aqui nesta ilha até morrer?” Ele respondeu: “Sim, todas as pessoas aqui ficam.” O arcebispo resolveu pedir a outros padres para irem para a ilha atenderem o padre Damião em Confissão. Todos se recusaram e deram várias desculpas. O bispo resolveu ir. Mas ao chegar na praia, impediram-no de descer. O padre Damião foi até eles de barco e perguntou ao bispo se podia fazer sua Confissão em francês, língua que os outros não entendiam. O bispo autorizou e o Padre Damião confessou seus pecados na frente de todos. Depois disse: “Às vezes, sinto vontade de nunca ter vindo para esta ilha. Sinto distrações nas orações. Mas depois mudo de idéia e prefiro ficar.” 
Repercussão internacional: Os jornais e pessoas do mundo inteiro publicaram sobre a heróica caridade do padre na ilha. Graças à permanência constante do padre Damião na ilha, a princesa do Havaí, Lydia Liliuokalani, resolveu ir até lá e ver como tudo estava. Ela ficou tão comovida e não conseguiu fazer seu discurso, chorando ao falar com a multidão de leprosos que tinha diante dela. Ela viu a pobreza e falta de camas. Vários leprosos dormiam no chão. A princesa pediu que fossem enviadas camas, remédios e mais comida para eles. Padre Damião fez com que mais casas fossem construídas e também organizou um coral para a igreja feito pelos leprosos que queriam cantar. Com a ajuda vinda de benfeitores do mundo inteiro, muitas melhorias e construções foram feitas na ilha como melhores casas, água, alimentos, plantações, igrejas, escolas, de modo que não se tornou mais o lugar sofrido de antes.  
Contágio com a lepra: Padre Damião percebeu que surgiram algumas manchas em seu corpo. O diagnóstico da lepra era demorado e ficaram com dúvidas se tinha pegado lepra ou não. Mas depois, o médico constatou que ele pegou a lepra também. Ele aceitou com serenidade e não se revoltou. Ele disse: “Trato de levar minha cruz com alegria, como Nosso Senhor Jesus Cristo. Já não tenho dúvidas: sou leproso! Que o bom Deus seja bendito! Não tenha muita pena de mim, pois estou perfeitamente resignado com minha sorte.” Os anos foram se passando e Padre Damião continuava firme na ilha. Precisou usar óculos. Ele rezou diante do Crucifixo: “Senhor, agradeço pelos anos que tens me concedido.”  
Exemplo seguido por outros: Em um barco, um homem impiedoso teve problemas com as fortes ondas e começou a jogar os leprosos presentes na água como se fossem animais. Padre Damião foi até lá, entrou corajosamente no mar e salvou todos os que pôde de se afogarem com muito carinho e compaixão. Alguns leprosos morreram e o fato causou repercussão na imprensa. Algumas irmãs religiosas ficaram sabendo disso e resolveram ir morar na ilha para fazer um orfanato de crianças. Padre Damião disse: “Você não imagina o quanto eu rezei para isso acontecer.” Havia autoridades e padres que consideravam o padre Damião um exagerado e faziam da ilha de Molokai um lugar muito temido e digno de muita distância. Outros o apoiavam. Certa vez, um homem publicou falsamente a morte do padre Damião. Ele lhe disse: “Obrigado por publicar a minha morte. Escrevam na minha lápide: ‘Aqui jaz o padre que raramente se confessava.’” Ele escreveu uma carta dizendo que precisava de um sistema de água potável, forno e roupas. Sentia que seu fim se aproximava e queria ir a capital do país para se confessar. O bispo e sacerdotes não queriam recebê-lo e diziam que não poderiam tocar em nenhuma veste nem cálice tocado pelo padre Damião. Ele estava cada dia mais debilitado pela lepra e sofria muito. Em sua estadia na capital do país, ele recebeu banhos que ajudavam muito a lepra e disse: “Tenho que voltar depressa para a ilha. Os banhos me fizeram muito bem. Eu gostaria que todos os habitantes de Molokai experimentassem isso também.” Ele temia sua morte próxima e tentava fazer que outro padre fosse enviado para lá. Muitos não quiseram ir. Esta indiferença dos sacerdotes fazia Padre Damião sofrer muito. Um padre belga que há anos queria imitá-lo, finalmente conseguiu ir para a ilha, assim como um médico que quis morar lá e ajudá-lo. Eram seus imitadores, assim como religiosas que desejavam ir para lá um dia. Seu exemplo atraía outros. Mas por ter contraído a lepra, nos últimos anos, Padre Damião foi impedido de ter contato com as religiosas que foram para lá e de ir à capela. Ele disse às religiosas: “Meu maior desejo era que vocês viessem. Agora que vieram, que Deus as abençoe e guarde.” 
Dias sofridos com a lepra: Padre Damião ficou profundamente triste com os impedimentos por causa de sua doença por parte do bispo e disse: “Respondi com um ato de submissão absoluta em virtude de meu voto de obediência. Continuo estando em paz. Sempre resignado à santa vontade do bom Deus em nossos sofrimentos cada vez mais lancinantes, sejamos, mortos em Cristo e que nossas vidas estejam escondidas em Deus.” Ficou muito doente e fraco nos últimos dias. Em outubro de 1885: “Os micróbios da lepra se instalaram finalmente na minha perna esquerda e na orelha. Minhas pálpebras começam a cair. Logo minha figura ficará deteriorada, suponho. Estando certo de que a doença é real, permaneço tranqüilo e resignado, e até sou mais feliz entre as pessoas aqui. O bom Deus sabe o que é melhor para minha santificação, e nesta convicção digo todos os dias um bom: ‘seja feita a tua vontade’. Tenha a bondade de rezar por este seu amigo provado e recomendar-me, assim como aos meus desventurados leprosos, a todos os servidores de Deus.” Mesmo sofrendo muito, escreveu em 1866: “Se me fosse dada a oportunidade de sair daqui em boa saúde, diria sem titubear: prefiro ficar com meus leprosos.” Padre Damião aceitou a condecoração feita pela princesa do Havaí pelo seu trabalho entre os leprosos, mas também disse: “O Senhor me condecorou com sua cruz particular: a lepra.” 
Morte e veneração: Em 12 de fevereiro de 1889, escreveu uma última carta a seu irmão, o padre Pamphyle: "Estou sempre feliz e contente, embora muito doente, desejo apenas o cumprimento da santa vontade de Deus." Em 19 de março de 1889, Padre Damião fez 25 anos de padre, sempre atendendo os leprosos mesmo doente e leproso também. No dia 28 de março, ele precisou ficar de cama, esgotado, da qual não mais saiu até sua morte. Na hora de sua morte, disse aos presentes: “Minha casinha nova, agora tem um padre novo e algumas irmãs. Chegou a hora de eu descansar. Estou ansioso pela ressurreição no Céu. Vou rezar por todos vocês.” E faleceu serenamente no dia 15 de abril de 1889, com apenas 49 anos. Seu exemplo era comentado em todo o mundo e passou a ser divulgado ainda mais após sua morte. Ele foi eleito o maior belga de todos os tempos. São Damião de Molokai foi beatificado em 1995 e canonizado em 2009 pelo papa Bento XVI. É admirado por pessoas de várias religiões no mundo inteiro pelo seu grande heroísmo em favor dos leprosos, um pastor que deu sua vida pelas ovelhas.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Ladainha de Santa Cecília

Senhor, tende piedade de nós. 
Cristo, tende piedade de nós. 
Senhor, tende piedade de nós. 
Jesus Cristo, ouvi-nos. Jesus Cristo, atendei-nos. 
Deus Pai dos Céus, tende piedade de nós. 
Deus Filho, Redentor do mundo tende piedade de nós. 
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós. 
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós. 

Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós.
Santa Cecília, virgem pura, 
Santa Cecília, cheia de fogo do amor divino, 
Santa Cecília, exemplo de caridade, 
Santa Cecília, socorro dos pobres em sua cidade, 
Santa Cecília, que ouvia humildemente a Palavra de Deus, 
Santa Cecília, que praticou o Evangelho com seriedade, 
Santa Cecília, de coração transparente, 
Santa Cecília, de somente de bons pensamentos, 
Santa Cecília, exemplo de humildade, 
Santa Cecília, que tiveste santidade no namoro, 
Santa Cecília, que tiveste castidade no noivado, 
Santa Cecília, modelo no casamento, 
Santa Cecília, bondosa para seu marido, 
Santa Cecília, bondosa para seu cunhado, 
Santa Cecília, paciente nas contrariedades, 
Santa Cecília, que teve ardente amor à Eucaristia, 
Santa Cecília, que teve terno amor à Maria, 
Santa Cecília, que foi à Santa Missa mesmo nas catacumbas, 
Santa Cecília, sempre em oração confiante, 
Santa Cecília, flor de castidade, 
Santa Cecília, esposa amorosa de Cristo, 
Santa Cecília, glória para o Salvador, 
Santa Cecília, cheia de esperança nas dores, 
Santa Cecília, testemunho diante dos moradores de sua cidade, 
Santa Cecília, vencedora das tentações dos pagãos, 
Santa Cecília, obediente a seu Anjo da Guarda, 
Santa Cecília, grande virgem do Paraíso, 
Santa Cecília, que cantava os louvores a Jesus, 
Santa Cecília, que doaste sua casa para ser uma igreja, 
Santa Cecília, ilustre mártir de Jesus Cristo, 
Santa Cecília, corajosa diante do imperador, 
Santa Cecília, que recebeste golpe na cabeça, 
Santa Cecília, que durante três dias sofreste terríveis dores, 
Santa Cecília, transpassada por muitas dores, 
Santa Cecília, que rezaste por seus inimigos, 
Santa Cecília, que perdoaste aqueles que lhe martirizavam, 
Santa Cecília, que levou os pagãos à verdadeira Igreja, 
Santa Cecília, padroeira dos cânticos sagrados, 
Santa Cecília, padroeira dos cantores, 
Santa Cecília, padroeira daqueles que tocam instrumentos, 

R. Rogai por nós Santa Cecília,
V. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos: Oh Deus eterno, que nos deste em Santa Cecilia, um poderoso protetor, fazei-nos depois de ter passado nossos dias fielmente como ela, em inocência e santidade, para que um dia possamos alcançar o Céu dos bem-aventurados, onde, cantando com ela, podemos louvar-vos e bendizer-vos por toda a eternidade. Amém.

domingo, 12 de novembro de 2017

Ladainha de Santa Bernadette Soubirous

Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos. Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus, Pai do Céu, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Deus, Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós.
Nossa Senhora de Lourdes, rogai por nós.
Santa Bernadette, filha do povo,
Santa Bernadette, sorriso do Céu,
Santa Bernadette, floco de neve das montanhas,
Santa Bernadette, catadora de lenha,
Santa Bernadette, filha eucarística de um moleiro,
Santa Bernadette, estudante de catecismo,
Santa Bernadette, irmã camponesa de Santa Joana d’Arc,
Santa Bernadette, dureza diante das tentações,
Santa Bernadette, guardiã dos rebanhos,
Santa Bernadette, placidez de inocência,
Santa Bernadette, confusão para os orgulhosos,
Santa Bernadette, rosa de Massabielle
Santa Bernadette, Terço dos pequeninos,
Santa Bernadette, bebedor da água límpida da gruta,
Santa Bernadette, obediente quando comeu a grama,
Santa Bernadette, conselheira dos anciãos,
Santa Bernadette, gruta da Terra,
Santa Bernadette,abertura para o Céu,
Santa Bernadette, devota do Sinal da Cruz,
Santa Bernadette, orgulhoso de ser pobre,
Santa Bernadette, testemunha imparcial,
Santa Bernadette, filha de Maria e de São José,
Santa Bernadette, diante do riacho,
Santa Bernadette, escutadora do silêncio,
Sainte Bernadette, confidente do infinito,
Santa Bernadette, felicidade do povo de Lourdes,
Santa Bernadette, coração filial que agarra à Mãe,
Santa Bernadette, pobre serva de Nevers,
Santa Bernadette, feita Irmã Marie-Bernard,
Santa Bernadette, fonte transbordante do Lado de Jesus,
Santa Bernadette, mãos colocadas sobre o Evangelho,
Santa Bernadette, modesta até a morte,
Santa Bernadette, glória que se ignora,
Santa Bernadette, centro dos milagres,
Santa Bernadette, procurada pelas multidões,
Santa Bernadette, devoção pelos Papas,
Santa Bernadette, rainha dos peregrinos,
Santa Bernadette, mãe dos órfãos,
Santa Bernadette, bálsamo do Bom Samaritano,
Santa Bernadette, alegria dos curados,
Santa Bernadette, alegria dos agonizantes,
Santa Bernadette, esperança dos que esperam,
Santa Bernadette, graça escondida,
Santa Bernadette, pedra polida pela fé,
Santa Bernadette, reflexo do Céu,
Santa Bernadette, piscina de Betesda,
Santa Bernadette, credo elevado ao Céu,
Santa Bernadette, doçura do vale,
Santa Bernadette, adoradora do Santíssimo Sacramento,
Santa Bernadette, modelo para o Céu,
Santa Bernadette, manto de neve e azul,
Santa Bernadette, enfermeira dos leprosos,
Santa Bernadette, coração de simplicidade,
Sainte Bernadette, olhar de inocência,
Santa Bernadette, fiel mensageira,
Santa Bernadette, enigma dos escribas,

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós, Senhor.

V. Rogai por nós, Santa Bernadette Soubirous, R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos: Ó Deus, que destes a Santa Bernadete, criança simples e pura dos Pirinéus, a graça de contemplar dezoito vezes em Lourdes beleza e receber as confidências da Imaculada Virgem Maria, e depois deixou-a escondida no claustro de Nevers para consumi-la como uma hóstia pelos pecadores, dai-nos este espírito de pureza, simplicidade e mortificação que nos levará, também, à visão de Deus e de Maria ao Céu. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

Ladainha de São João Maria Vianney

Senhor, tende piedade de nós. 
Cristo, tende piedade de nós. 
Senhor, tende piedade de nós. 
Jesus Cristo, ouvi-nos. Jesus Cristo, atendei-nos. 
Deus Pai dos Céus, tende piedade de nós. 
Deus Filho, Redentor do mundo tende piedade de nós. 
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós. 
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós. 

Santa Maria, Rainha de Todos os Santos, rogai por nós. 
São João Vianney, protegido na graça desde sua infância, 
São João Vianney, modelo de piedade filial, 
São João Vianney, servo devoto de Imaculada Maria, 
São João Vianney, lírio de pureza, 
São João Vianney, imitador dos sofrimentos de Cristo, 
São João Vianney, modelo de mortificação e penitência, 
São João Vianney, abismo de humildade, 
São João Vianney, serafim em oração, 
São João Vianney, modelo de união com Deus, 
São João Vianney, adorador fiel do Santíssimo Sacramento, 
São João Vianney, amante da pobreza sagrada, 
São João Vianney, penetrado pelo temor dos julgamentos de Deus, 
São João Vianney, atormentado pelo inferno, 
São João Vianney, fortalecido pelas visões divinas, 
São João Vianney, modelo de virtudes sacerdotais, 
São João Vianney, um pastor firme e prudente, 
São João Vianney, consumido pelo zelo, 
São João Vianney, assistente dos doentes, 
São João Vianney, catequista infatigável, 
São João Vianney, pregador com palavras de fogo, 
São João Vianney, apóstolo da santificação do domingo, 
São João Vianney, restaurador da vida cristã nas famílias, 
São João Vianney, admirável ministro do sacramento da penitência, 
São João Vianney, dotado de espírito de conselho, 
São João Vianney, iluminado com luzes celestiais, 
São João Vianney, que trouxe tantas almas para o bem, 
São João Vianney, que recebeu o dom de converter pecadores, 
São João Vianney, compassivo para toda a miséria, 
São João Vianney, amável amigo dos pobres, 
São João Vianney, providência dos órfãos, 
São João Vianney, favorecido pelo presente dos milagres, 
São João Vianney, que provou as delícias de uma santa morte, 
São João Vianney, que goza da glória do céu,
São João Vianney, ajuda daqueles que o convocam, 
São João Vianney, patrono de todos os sacerdotes do universo, 

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor. 
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, atendei-nos, Senhor. 
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós. 
Rogai por nós, São João Maria Vianney, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. 

Oremos: Deus Todo-Poderoso e misericordioso, que fizeste admirável o São João Maria Vianney por seu zelo pastoral e seu constante amor pela oração e pela penitência, dai-nos a graça de alcançar com Cristo pelo seu exemplo e intercessão, as almas de nossos irmãos e alcançá-los para a glória eterna. Amém.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Aparições de Nossa Senhora em Pellevoisin

As aparições e mensagens de Nossa Senhora em Pellevoisin, França, tiveram apoio do papa Leão XIII em 1900. Em 1876, Nossa Senhora apareceu a Estelle Faguette (1843-1929), na ocasião com 33 anos. Estelle era muito doente. Tinha tuberculose, peritonite aguda e um tumor abdominal. Nas 3 primeiras aparições, o demônio tentou Estelle, mas fugia da presença de Nossa Senhora. 

1ª aparição, 14 de fevereiro de 1976: Estelle estava gravemente enferma. Nossa Senhora aparece vestida de branco: “Não tenha medo! Saiba que é minha filha. Ânimo e paciência. Meu Filho vai se deixar tocar. Você sofrerá ainda cinco dias em honra das Cinco Chagas de meu Filho. No próximo sábado, você morrerá ou será curada. Se meu Filho te conceder a vida, você anunciará minha glória. Os fiéis daqui precisam de mais ânimo. Coragem, mas eu quero que você mantenha sua promessa.” 

2ª aparição, 15 de fevereiro de 1876: Nossa Senhora disse: “Não tenha medo. Estou aqui. Meu Filho se deixou comover. Você será curada no sábado e anunciará minha glória.” Estelle perguntou: “Eu não devo morrer?” Nossa Senhora respondeu: “Ingrata. Se meu Filho te salva, é porque você precisa viver. O que Ele deu de mais precioso aos homens nesta Terra? Ele te conservará a vida, mas não creio que te poupará de sofrimentos. Você sofrerá e suas penas serão muitas. Isso dá mérito à vida. Se meu Filho se deixou o tocar, foi por sua grande resignação e paciência. Não perca o fruto de sua escolha. Agora, olhe o seu passado.” 

3ª aparição, 16 de fevereiro de 1876: Nossa Senhora disse: “Ânimo, minha filha. Tudo isso passou. Sua resignação resgatou suas faltas passadas. Sou toda misericordiosa, obtendo tudo de meu Filho. Suas boas ações e fervorosas orações tocaram meu Coração de Mãe. Na pequena carta que você me escreveu em setembro, sobretudo esta frase tocou-me particularmente: ‘Vede a situação de meus pais, caso eu venha a morrer. Eles teriam que pedir esmolas. Lembre-se de seus sofrimentos quando viu Jesus, seu Filho, cravado na Cruz’. Mostrei essa carta a meu Filho. Seus pais precisam de você. De agora em diante, procure ser fiel. Não perca as graças que te são dadas e anuncie minha glória.” 

4ª aparição, 17 de fevereiro de 1876: Nossa Senhora disse: “Você publicará minha glória. Faça todo esforço.” 

5ª aparição, 18 de fevereiro de 1876: Estelle foi curada milagrosamente, fato confirmado pelos médicos. Nossa Senhora disse: “Se você quer me servir, seja simples. E que seus atos correspondam às suas palavras. Você pode ser salva em todas as condições. Você pode fazer muito bem e anunciar minha glória. O que me aflige é a falta de respeito por meu Filho na Santa Comunhão e a atitude de distração com outras coisas na oração. Digo isto para as pessoas que se dizem piedosas. Anuncie minha glória, mas antes de falar, espere o conselho de seu confessor e diretor espiritual. Você sofrerá ciladas, te tratarão como visionária, exaltada e louca. Seja fiel a mim. Eu te ajudarei.”

6ª aparição, 1º de julho de 1876: Nossa Senhora disse: “Calma, minha filha. Paciência. Você terá sofrimentos, mas eu estou aqui.” 

7ª aparição, 2 de julho de 1876: Nossa Senhora veio cercada de rosas de todas as cores, principalmente brancas, vermelhas e amarelas: “Você tem anunciado minha glória. Continue. Meu Filho tem algumas almas mais unidas. Seu Coração tem tanto amor pelo meu e Ele não recusa meus pedidos. Por meu intermédio, Ele tocará os corações mais endurecidos. Sua cura não é uma das maiores provas de meu poder? Haverá contradições, mas não se preocupe. Fique calma. Vim pela conversão dos pecadores.”

8ª aparição, 3 de julho de 1876: Nossa Senhora apareceu cercada de rosas novamente. Estelle estava agitada e impaciente. Mas Nossa Senhora disse: “Gostaria que você fosse mais calma. Eu não tinha marcado o dia nem a hora em que voltaria. Você precisa de repouso. Ficarei apenas alguns minutos. Eu vim para acabar a festa.” 

9ª aparição, 9 de setembro o de 1876: Nossa Senhora disse: “Você foi privada de minha presença em 15 de agosto, porque não tinha calma o suficiente. Você tem muito o caráter francês, que deseja saber tudo antes de aprender, e aprender tudo antes de saber. Ainda ontem eu quis vir, mas você teve que ficar sem minha presença. Eu espero este ato de submissão e de obediência de você. Há muito tempo os tesouros de meu Filho estão abertos. Que eles rezem.” Nossa Senhora lhe deu o escapulário do Sagrado Coração de Jesus, tirando-o de seu próprio Peito: “Tenho predileção por esta devoção e nela serei honrada.” 

10ª aparição, 10 de setembro de 1876: Nossa Senhora apareceu com as mãos juntas em oração e disse: “Que eles orem. Eu lhes dou o exemplo.” 

11ª aparição, 15 de setembro de 1876: Estelle viu soldados em guerra. Nossa Senhora lhe disse então: “Sei que você fez grande esforço para se manter calma. Não é apenas para você que peço a calma, mas para toda a Igreja e a França. A Igreja não goza dessa paz que eu desejo. Que todos rezem e tenham confiança em mim. França, o que eu não fiz por ela? Quantas advertências! E mesmo assim, ela se recusa a ouvir. Não posso mais conter meu Filho. A França sofrerá. Coragem e confiança. Tanto pior para os que não acreditarem. Eles reconhecerão mais tarde a veracidade de minhas palavras.” 

12ª aparição, 1º de novembro de 1876: Nossa Senhora não disse nada, apenas mostrou grande bondade para com vidente. 

13ª aparição: 5 de Novembro de 1876: Nossa Senhora lhe disse: “Eu te escolhi. Eu escolho os pequenos e fracos para minha glória. Coragem. O tempo das provas vai começar.” Nossa Senhora cruzou os braços sobre o peito e desapareceu. 

14ª aparição, 11 de novembro de 1876: Estelle bordou um Escapulário de Nossa Senhora que lhe disse: “Você não perdeu seu tempo hoje. Você trabalhou por mim. É preciso fazer muitos outros Escapulários.” 

15ª e última aparição: 8 de desembro de 1876: Nossa Senhora apareceu mais bela e cercada de rosas:
"Minha filha, lembre-se de minhas palavras. Repete-as sempre. Que elas te fortifiquem e te confortem na hora da provação. Você não me verá mais. Eu estarei invisivelmente a seu lado.” 
Estelle viu teve uma visão de pessoas com gestos ameaçadoras e do outro lado, pessoas que pareciam boas. Nossa Senhora explicou: 
“Não tenha medo deles. Eu te escolhi para me dar glória e propagar esta devoção.” 
Nossa Senhora segurava o escapulário e Estelle o pediu. Nossa Senhora disse: 
“Levante-se e beija-o.”  
Estelle levantou e beijou o Escapulário. Nossa Senhora disse: 
“Você vai encontrar-se com o prelado e irá apresentar o modelo que você fez. Diga a ele para te ajudar de todas as maneiras possíveis, e nada será melhor do que eu ver isto entregue a cada um dos meus filhos. Que todos eles se apliquem a reparar os ultrajes que meu Filho recebe no Sacramento do seu amor. Veja as graças que derramo sobre aqueles que o usarem com confiança e ajudarem a espalhá-lo." 
Nossa Senhora fez cair de suas Mãos uma chuva abundante: “Essas graças são de meu Filho. Colho-as em seu Coração. Ele não pode me recusar.”  
Estelle perguntou o que deveriam colocar do outro lado do Escapulário. Nossa Senhora respondeu: 
“Eu o reservo para mim. Você apresentará os meus pensamentos e a Igreja vai decidir. Coragem. Não tenha medo. Eu vou te ajudar." 

Estelle viveu até a idade de 86 anos, sempre divulgando a glória de Maria. Com licença eclesiástica, o quarto das aparições foi transformado em capela. Em 1877, foi fundada a Confraria da Mãe de Todas as Misericórdias, abençoada pelo papa Leão XIII, para divulgar as glórias de Maria. São Pio X abençoou um livro publicado sobre as aparições e recebeu Estelle. Em 1979, João Paulo II acolheu um livro sobre as aparições. Em 1983, a comissão teológica reconheceu oficialmente o milagre da cura de Estelle, comprovando a veracidade destas aparições.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Mistérios do Terço e Rosário meditados

Nesta meditação dos Mistérios do Terço, cada Ave-Maria tem uma citação lembrando cada passo dos Mistérios da vida de Jesus e Maria, do começo ao fim. Basta ler cada citação antes de cada Ave Maria. 

Mistérios Gozosos meditados: 
Anunciação do Anjo a Maria: 
1ª) No sexto mês, o Anjo Gabriel é enviado por Deus.
2ª) A uma cidade da Galiléia chamada Nazaré.
3ª) A uma virgem prometida em casamento a José.
4ª) O Anjo saúda Maria, a cheia de graça.
5ª) Maria fica perturbada com a saudação do Anjo.
6ª) O Anjo tranqüiliza Maria.
7ª) O Anjo anuncia que Maria terá um filho.
8ª) Maria pergunta ao Anjo como isso acontecerá.
9ª) O Anjo diz que o Espírito Santo virá sobre ela.
10ª) Maria se diz a serva do Senhor.

Visita de Maria a Isabel: 
1ª) Maria parte apressadamente para as montanhas.
2ª) Maria entra em casa de Zacarias.
3ª) Maria saúda Isabel.
4ª) João Batista pula de alegria no seio de Isabel.
5ª) Isabel fica cheia do Espírito Santo.
6ª) Isabel saúda Maria e o fruto do seu ventre.
7ª) Isabel chama Maria de Mãe do Senhor.
8ª) Maria canta o Magnificat.
9ª) Maria fica três meses com Isabel.
10ª) Maria volta para casa.

Nascimento de Jesus: 
1ª) José é avisado em sonhos pelo Anjo.
2ª) Maria é acolhida como esposa por José.
3ª) Maria e José partem para Belém.
4ª) Maria e José não encontram lugar nas hospedarias.
5ª) Jesus nasce na gruta de Belém.
6ª) Jesus é colocado numa manjedoura.
7ª) Jesus é anunciado pelo Anjo aos pastores.
8ª) Jesus é glorificado pelos Anjos.
9ª) Jesus é procurado pelos Magos.
10ª) Jesus é adorado pelos Magos com ouro, incenso e mirra.

Apresentação de Jesus no Templo: 
1ª) José e Maria vão a Jerusalém.
2ª) José e Maria apresentam Jesus no Templo.
3ª) José e Maria levam um par de pombinhos.
4ª) Maria é purificada no Templo.
5ª) Simeão é avisado pelo Espírito Santo.
6ª) Simeão pega o Menino Jesus nos braços.
7ª) Maria e José ficam admirados.
8ª) Simeão abençoa Maria e José.
9ª) Maria é transpassada pela profecia de Simeão.
10ª) Jesus é glorificado por Ana no Templo.

Perda e encontro de Jesus no Templo: 
1ª) José é avisado em sonhos pelo Anjo.
2ª) José e Maria fogem para o Egito.
3ª) José e Maria vêem os inocentes sendo martirizados.
4ª) José e Maria vivem no Egito.
5ª) José e Maria voltam do Egito a Nazaré.
6ª) José e Maria vão à festa da Páscoa.
7ª) José e Maria perdem Jesus em Jerusalém.
8ª) José e Maria procuram Jesus por três dias.
9ª) José e Maria encontram Jesus no templo.
10ª) Maria guarda todas as coisas em seu Coração.  

Mistérios Luminosos meditados: 
Batismo de Jesus: 
1ª) Jesus vai ao encontro de João Batista.
2ª) Jesus é batizado no rio Jordão.
3ª) O Espírito Santo desce em forma de pomba.
4ª) O Pai diz que Jesus é seu filho amado.
5ª) Jesus fica 40 dias em jejum no deserto.
6ª) Jesus é tentado pelo demônio.
7ª) Jesus vence a tentação de transformar as pedras em pão.
8ª) Jesus vence a tentação de ter todos os reinos.
9ª) Jesus vence a tentação de se jogar do Templo.
10ª) Jesus é servido pelos Anjos.

Bodas de Caná: 
1ª) Jesus vai nas bodas de Caná da Galiléia.
2ª) A Mãe de Jesus estava presente.
3ª) Seus discípulos também foram convidados.
4ª) Faltou o vinho.
5ª) Maria avisa a Jesus da falta do vinho.
6ª) Jesus responde que sua hora ainda não chegou.
7ª) Maria pede aos serventes para fazerem tudo o que Jesus disser.
8ª) Jesus manda encher as talhas de água.
9ª) Jesus transforma a água em vinho.
10ª) O vinho é elogiado pelo mestre-sala.

Anúncio do Reino: 
1ª) Jesus escolhe doze apóstolos.
2ª) Jesus faz a pesca milagrosa.
3ª) Jesus ensina as parábolas do Reino.
4ª) Jesus prega em todas as cidades.
5ª) Jesus multiplica os pães.
6ª) Jesus anda sobre as águas.
7ª) Jesus cura os doentes.
8ª) Jesus acalma a tempestade.
9ª) Jesus come com os pecadores.
10ª) Jesus expulsa os demônios.

Transfiguração de Jesus: 
1ª) Jesus sobe com os discípulos a uma alta montanha.
2ª) Jesus leva consigo Pedro, Tiago e João.
3ª) Jesus ora ao Pai.
4ª) Jesus tem seu rosto transfigurado.
5ª) Jesus tem suas roupas brancas e brilhantes.
6ª) Pedro diz que é bom estar ali.
7ª) Jesus fala com Moisés e Elias de sua Paixão.
8ª) Pedro diz que é bom estar ali.
9ª) Jesus e os discípulos são envolvidos pela nuvem.
10ª) Jesus e os discípulos ouvem a voz do Pai.

Instituição da Eucaristia: 
1ª) Jesus celebra a Última Ceia com os discípulos.
2ª) Jesus dá graças e parte o pão e o vinho.
3ª) Jesus diz que o pão é seu Corpo.
4ª) Jesus diz que o vinho é seu Sangue.
5ª) Jesus lava os pés dos apóstolos.
6ª) Jesus fica triste e anuncia a traição.
7ª) Jesus é traído por Judas.
8ª) Jesus prediz a negação de Pedro.
9ª) Jesus nos dá um novo mandamento.
10ª) Jesus pede que amemos uns aos outros.

Mistérios Dolorosos meditados:
Agonia de Jesus no Jardim das Oliveiras: 
1ª) Jesus entra numa tristeza mortal no Jardim das Oliveiras.
2ª) Jesus ora ao Pai diante do cálice da amargura.
3ª) Jesus encontra os apóstolos adormecidos.
4ª) Jesus pede ao Pai que o afaste do cálice da amargura.
5ª) Jesus encontra novamente os apóstolos adormecidos.
6ª) Jesus aceita beber o cálice da amargura.
7ª) Jesus é confortado pelo Anjo.
8ª) Jesus é banhado de suor como gotas de Sangue.
9ª) Jesus é traído e beijado por Judas.
10ª) Jesus é preso no Jardim das Oliveiras.

Flagelação de Jesus: 
1ª) Jesus é julgado pelos fariseus e mestres da Lei.
2ª) Jesus é esbofeteado por um dos guardas.
3ª) Jesus é esmurrado e cuspido pelos fariseus, sacerdotes e mestres da Lei.
4ª) Jesus é caçoado com a Face coberta pelos soldados.
5ª) Jesus é negado três vezes por Pedro.
6ª) Jesus é colocado na prisão até ser julgado de manhã.
7ª) Jesus é condenado pela multidão que grita: “Crucifica-o!”
8ª) Jesus é desprezado pela multidão que prefere Barrabás.
9ª) Jesus é zombado por Herodes e vestido com um manto majestoso.
10ª) Jesus é flagelado por ordem de Pilatos.

Coroação de espinhos de Jesus: 
1ª) Jesus é coroado de espinhos pelos soldados.
2ª) Jesus é espancado na cabeça pelos soldados.
3ª) Jesus é coberto com um manto vermelho.
4ª) Jesus é humilhado com uma vara em sua mão.
5ª) Jesus é saudado como Rei dos Judeus pelos soldados.
6ª) Jesus é zombado pelos soldados ajoelhados.
7ª) Jesus é esbofeteado pelos soldados.
8ª) Jesus é cuspido pelos soldados.
9ª) Jesus é apresentado por Pilatos à multidão.
10ª) Jesus é desprezado pela multidão que novamente grita: “Crucifica-o!”

Subida de Jesus ao Calvário: 
1ª) Jesus é condenado à morte.
2ª) Jesus toma a Cruz nas costas.
3ª) Jesus cai pela primeira vez.
4ª) Jesus encontra a sua Mãe.
5ª) Jesus é ajudado por Simão Cirineu a carregar a Cruz.
6ª) Jesus tem sua Face enxugada por Verônica.
7ª) Jesus cai pela segunda vez.
8ª) Jesus consola as mulheres de Jerusalém.
9ª) Jesus cai pela terceira vez.
10ª) Jesus é despojado de suas vestes.

Crucifixão de Jesus: 
1ª) “Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem.”
2ª) “Meu Deus, meu Deus! Por que me abandonaste?”
3ª) “Em verdade te digo: hoje mesmo estarás comigo no Paraíso.”
4ª) “Mulher, eis o teu filho. Eis aí a tua Mãe.”
5ª) “Tenho sede.”
6ª) “Tudo está consumado.”
7ª) “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito.”
8ª) Jesus é transpassado pela lança e do seu Coração jorram Sangue e Água.
9ª) Jesus é colocado nos braços de sua Mãe.
10ª) Jesus é sepultado e sua Mãe fica em triste solidão.

Mistérios Gloriosos meditados: 

Ressurreição de Jesus: 
1ª) Jesus ressuscita dos mortos.
2ª) Jesus aparece às piedosas mulheres.
3ª) Jesus aparece a Maria Madalena.
4ª) Jesus aparece aos discípulos de Emaús.
5ª) Jesus explica as Escrituras aos discípulos de Emaús.
6ª) Jesus é reconhecido ao partir o pão.
7ª) Jesus aparece aos onze discípulos.
8ª) Jesus deseja a paz.
9ª) Jesus lhes sopra o Espírito Santo.
10ª) Jesus lhes envia a perdoarem os pecados.

Ascensão de Jesus: 
1ª) Jesus aparece depois com Tomé presente.
2ª) Jesus mostra suas Chagas a Tomé.
3ª) Jesus convida Tomé a ser fiel.
4ª) Jesus aparece aos discípulos na praia.
5ª) Jesus faz a pesca milagrosa de peixes.
6ª) Jesus come com os discípulos na praia.
7ª) Jesus pergunta a Pedro se ele o ama.
8ª) Jesus pede a Pedro para apascentar suas ovelhas.
9ª) Jesus sobe aos Céus.
10ª) Jesus é encoberto por uma nuvem.

Vinda do Espírito Santo: 
1ª) Os apóstolos voltaram para Jerusalém.
2ª) Todos tinham os mesmos sentimentos.
3ª) Eram perseverantes na oração.
4ª) Junto com as mulheres e a Mãe de Jesus.
5ª) Chegou o dia de Pentecostes.
6ª) Veio do céu um forte barulho como ventania.
7ª) Línguas de fogo desceram sobre cada um deles.
8ª) Todos ficaram cheios do Espírito Santo.
9ª) E começaram a falar em outras línguas.
10ª) Pedro anuncia à multidão.

Assunção de Maria ao Céu: (frases de Apocalipse 12)
1ª) Um grande sinal apareceu no Céu.
2ª) Uma Mulher revestida de sol.
3ª) A lua debaixo de seus pés.
4ª) Na cabeça uma coroa de doze estrelas.
5ª) Apareceu outro sinal, um grande dragão.
6ª) Nasceu o filho da Mulher.
7ª) Houve uma batalha no Céu.
8ª) Miguel e seus Anjos combateram o dragão.
9ª) A Mulher fugiu para o deserto.
10ª) O dragão começou a perseguir o resto dos filhos Dela.

Coroação de Maria no Céu: 
1ª) “A minha alma glorifica o Senhor. Meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador.
2ª) Porque olhou para a humildade de sua serva. 
3ª) Doravante, todas as gerações me chamarão bem-aventurada.
4ª) Porque o Todo-poderoso fez em mim maravilhas. 
5ª) Santo é o seu nome. 
6ª) Sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que o temem. 
7ª) Ele manifestou o poder de seu braço e dispersou os orgulhosos de coração. 
8ª) Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes. 
9ª) Acolheu a Israel, seu servo, fiel ao seu amor. 
10ª) Conforme prometera a nossos pais em favor de Abraão e sua descendência para sempre.” 

Salmo 44, 2-18, Salmo dedicado a Nossa Senhora: 
2. “Transbordam palavras sublimes do meu coração. Ao rei dedico o meu canto. Minha língua é como o estilo de um ágil escriba. 3. Sois belo, o mais belo dos filhos dos homens. Expande-se a graça em vossos lábios, pelo que Deus vos cumulou de bênçãos eternas. 4. Cingi-vos com vossa espada, ó herói; ela é vosso ornamento e esplendor. 5. Erguei-vos vitorioso em defesa da verdade e da justiça. Que vossa mão se assinale por feitos gloriosos. 6. Aguçadas são as vossas flechas; a vós se submetem os povos; os inimigos do rei perdem o ânimo. 7. Vosso trono, ó Deus, é eterno, de eqüidade é vosso cetro real. 8. Amais a justiça e detestais o mal, pelo que o Senhor, vosso Deus, vos ungiu com óleo de alegria, preferindo-vos aos vossos iguais. 9. Exalam vossas vestes perfume de mirra, aloés e incenso; do palácio de marfim os sons das liras vos deleitam. 10. Filhas de reis formam vosso cortejo; posta-se à vossa direita a rainha, ornada de ouro de Ofir. 11. Ouve, filha, vê e presta atenção: esquece o teu povo e a casa de teu pai. 12. De tua beleza se encantará o rei; ele é teu senhor, rende-lhe homenagens. 13. Habitantes de Tiro virão com seus presentes, próceres do povo implorarão teu favor. 14. Toda formosa, entra a filha do rei, com vestes bordadas de ouro. 15. Em roupagens multicores apresenta-se ao rei, após ela vos são apresentadas as virgens, suas companheiras. 16. Levadas entre alegrias e júbilos, ingressam no palácio real. 17. Tomarão os vossos filhos o lugar de vossos pais, vós os estabelecereis príncipes sobre toda a terra. 18. Celebrarei vosso nome através das gerações. E os povos vos louvarão eternamente.”

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Segredos revelados por Nossa Senhora em Divinópolis

Nessas aparições de Divinópolis, Nossa Senhora revelou alguns segredos ao vidente pedindo que mantivesse sigilo. Todos estes segredos são acontecimentos do futuro do mundo e da Igreja. São acontecimentos desagradáveis, mas depois deles Nossa Senhora disse que o mundo será melhor, mais feliz e cheio de paz. Veja as datas em que ela os contou. Ela disse que os números dos meses em que os revelou têm relação com as datas dos segredos futuramente: 

Mensagem de 9/12/2002 - 1º segredo que virá ao mundo. 
Mensagem de 6/1/2003 – 2º segredo que virá ao mundo. 
Mensagem de 12/1/2003 – Vários segredos do mundo. 
Mensagem de 21/2/2003 – Último segredo do mundo. 
Mensagem de 10/5/2003 – Segredos do futuro da Igreja Católica. 
Mensagem de 12/5/2003 – Últimos detalhes após os segredos. 
Mensagem de 1º/9/2008 – Um acontecimento que antecipa os segredos. Confira as mensagens: 

Mensagem de 9/12/2002 – Primeiro segredo que acontecerá no mundo: Nossa Senhora apareceu muito triste com lágrimas nos olhos e contou o primeiro segredo através de imagens e disse:
“Como me doem seus pecados... Como me fazem chorar... Só com uma vida de oração, sacrifício e penitência vocês poderão enxugar as minhas lágrimas. Este é o meu aviso: rezem. É grave o seu futuro. Vocês correm grande perigo de sofrerem. Meus filhos: rezem, rezem, rezem. Eu repito. Um dia, darei muitos sinais de minhas aparições no mundo. Depois disso, não estarei aparecendo como freqüentemente como hoje. Mas sempre os protegerei e estarei olhando por vocês. É um tempo de trevas espirituais que se aproxima. Digo a meus bispos e sacerdotes que se convertam e exortem o mundo à conversão. Creiam nas minhas mensagens e aparições. Rezem, rezem, rezem. Rezem o Santo Terço e o Rosário. Se todo esse mundo se convertesse... Mas ele não se converte. Aumenta cada vez mais o número de seus pecados. Eu os exorto à conversão, mas quase ninguém me dá ouvido. Vocês sofrerão quando já for muito tarde.” 

Mensagem de 12/1/2003 – Domingo do Batismo de Jesus: Nossa Senhora mostrou muitos acontecimentos do futuro do mundo através de imagens. São acontecimentos desagradáveis, mas ela disse: Segredos que virão ao mundo: 
“Deus enviará acontecimentos que serão avisos para o mundo. A imprensa os noticiará. Minhas mensagens serão divulgadas no mundo inteiro. Depois, Deus dará sinais de que várias aparições ocorridas são verdadeiras. O mundo todo ficará sabendo desses sinais e muitos se converterão com eles. Se todos se arrependessem hoje, não haveriam os castigos. Mas mesmo vendo os avisos que Deus enviará, muitos não quererão se converter. Em seguida, Deus enviará os castigos para os pecados graves do mundo, principalmente por causa da falta de arrependimento. Eles serão amenizados na proporção das conversões e orações que ocorrerem. Com estes castigos, a maioria das pessoas se arrependerá e pedirá perdão a Deus. Muitos correrão desesperados para as igrejas, mas deveriam correr para elas agora. Durante os castigos, se verá sinais da proteção de Deus para todos aqueles que rezarem e se arrependerem. Mesmo assim, haverão alguns que blasfemarão contra Deus. Após os castigos, o mundo se converterá e será melhor, mais feliz e cheio de paz. Não ocorrerão mais tantos crimes graves. O mundo terá menos pecados e todas as nações terão mais fé em Deus e em Jesus. O tempo de agora até a realização dos segredos é um tempo de graça e misericórdia. Durante os segredos, será um tempo de justiça e purificação. Depois dos segredos, será um tempo de paz.” 

Mensagem de 21/2/2003 – Último segredo do mundo: Nossa Senhora mostrou o último segredo através de imagens. É um castigo desagradável e disse: “Meus filhos queridos, eu estou com vocês e os amo.” 

Mensagem de 10/5/2003 – Segredos sobre a Igreja: Nossa Senhora mostrou vários acontecimentos e disse: “A Igreja Católica passará por muitas perseguições e grande crise de fé. Muitas pessoas e governantes a atacarão de diferentes maneiras. Haverão sacerdotes que não permanecerão fiéis e pregarão o que não devem ao povo. Haverão muitos governantes sem fé e contra a Igreja. Mas não conseguirão destruí-la.” 

Mensagem de 12/5/2003 – Tempo após os segredos: Nossa Senhora mostrou vários acontecimentos e disse: 
“Meus filhos, eu venho trazer esperança. O império de satanás será destruído. Por causa de seus próprios pecados, crimes graves e falta de arrependimento, o mundo passará por muitas dificuldades, doenças, pobrezas e sofrimentos. Mas Deus intervirá. E depois da realização dos segredos que revelei, o mundo será melhor e mais feliz dali em diante. Todas as nações respeitarão mais à Igreja Católica e serão mais abertas à Palavra de Deus. A maioria das pessoas será salva. A conversão e santificação do mundo ocorrerá aos poucos com a evangelização da Igreja Católica e com a divulgação das minhas mensagens de várias aparições. Todas as aparições verdadeiras serão reconhecidas pela Igreja.” 

Mensagem de 22/7/2008 – Aparições reconhecidas no futuro: “A Igreja Católica fará uma renovação da fé do povo. As pessoas freqüentarão mais as igrejas e os Sacramentos. Os sacerdotes terão muito trabalho para fazer todos os dias e mais sacerdotes serão necessários para atender o povo. A Igreja reconhecerá a importância das minhas aparições e todos darão mais valor para as mensagens que dei ao longo desses muitos anos em todo o mundo. Muitos as lerão e sua espiritualidade ajudará muitas pessoas. Mas felizes daqueles que deram valor na época em que foram dadas! Hoje, muitas pessoas desprezam as mensagens que dou em minhas aparições no mundo. Estou muito triste por ser tão pouco ouvida e tão pouco atendida... Com a situação do mundo hoje, meus filhos, compreendam como é grande a dor do meu Coração!”

quarta-feira, 15 de março de 2017

Igrejas das aparições

Estas são as fotos das 11 igrejas onde aconteceram as aparições de Divinópolis: 












terça-feira, 7 de março de 2017

Oração à Nossa Senhora Mãe da Humanidade

“Nossa Senhora, Mãe da Humanidade, Mãe de Jesus que é nosso Deus, nosso Senhor, nosso Salvador. Eu te amo, Maria, e quero tê-la sempre perto de mim. Sei que a Senhora é minha Mãe e que reza por mim junto a Deus. Que bom, como eu sou feliz. Agora posso contar sempre contigo em minha vida e sempre acreditarei em sua presença. Quero amá-la, quero ser um bom filho, uma boa filha para te fazer ficar feliz com a minha vida. Que eu seja como Jesus quer. É isso o que a Senhora quer de mim. E eu quero também e vou me esforçar. Conto com sua ajuda, Mãezinha do Céu! Reze por mim junto a Jesus. Reze também pelos meus irmãos: as outras pessoas do mundo inteiro. Eu rezo agora por elas e por mim. Obrigado por tudo, mas tenho que lhe pedir. Minha vida está difícil, preciso de muitas graças, tenho muitos pedidos a fazer. E como toda Mãe aceita os pedidos de seus filhinhos, faço estes pedidos... (fazer os pedidos) Obrigado, Maria, Mãe de Jesus e minha Mãe também. Nossa Senhora, Mãe da Humanidade, rogai por nós. Fique sempre comigo, com todos nós e interceda pelo mundo inteiro. Amém.” 

Esta oração foi inspirada na aparição de 13/11/2002 sendo a escolhida por Ela como a oficial destas aparições:

segunda-feira, 6 de março de 2017

Vida de Santa Bernadette Soubirous

Nascimento e pobreza: A história de Santa Bernadette Soubirous (1844-1879), a menina que viu Nossa Senhora em Lourdes, foi marcada pela pobreza, sofrimento e entrega a Deus. Marie Bernarde Soubirous, mais conhecida pelo seu apelido Bernadette (em português seria Bernardinha) nasceu em 7 de janeiro de 1844 no moinho Boly, perto de Lourdes. Aos 10 anos, a família foi expulsa do moinho e tiveram que morar num calabouço cheio de umidade e mofo chamado masmorra, antiga cadeia do lugar. Passavam muita fome. Às vezes, tinham apenas pães velhos como alimento de um dia inteiro para todos, ou nem um pão. Faziam sopas aguadas cozinhando ossos e carnes catados no lixo ou recebidos de amigos. 
Aparições em Lourdes: Bernadette era analfabeta na época das aparições de Nossa Senhora em Lourdes, nem sequer falava francês, mas apenas um dialeto daquela região. Depois teve pouco estudo, mas vemos que tinha uma grande sabedoria nas palavras que disse. Em 1857, Bernadette foi morar por uns tempos na casa de sua ama de leite para se alimentar melhor. Trabalhava ali pastoreando as ovelhas sozinha. Só sabia rezar o Terço e a invocação: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.” Tinha voltado a Lourdes em janeiro de 1858 para fazer a Primeira Comunhão aos 14 anos. Não havia feito antes por causa dos trabalhos. Teve dificuldade em memorizar o Catecismo. No mês seguinte, de 11 fevereiro a 16 de julho de 1858, teve as 18 aparições de Nossa Senhora e disse: “Se você soubesse o que eu vi de bonito ali naquela gruta... Se você soubesse como Nossa Senhora é boa... Tão bela! Não consigo achar bonita nenhuma imagem de Nossa Senhora, depois de ter visto a original. Eu só irei para o Céu se for boa e me comportar corretamente. Verei Nossa Senhora de novo no Céu. Vai ser mais bonito.” 
Contato com  o povo: Milhares de pessoas começaram a procurá-la em sua casa ou onde estivesse. Todos a acharam muito humilde, simples e bondosa, mas ao mesmo tempo, muito normal como todas as meninas. Era muito franca, sincera e transparente. Era muito procurada no convento por pobres, ricos, religiosos, autoridades, mendigos e doentes. Apesar disso, atendia todos do mesmo jeito, nunca diferenciava nem exaltava ninguém. Sempre atendia a todos com boa vontade e dizia: “Vou rezar por vocês.” Nunca perdia a paciência com tantas visitas e muitos alcançaram graças com suas orações. Aos que a chamavam de santa, dizia: “Estão enganados.” Nunca aceitou dinheiro e pedia que dessem à paróquia ou às irmãs. Alguns a tratavam como celebridade nas ruas de Lourdes, mas ela continuou humilde do mesmo jeito de antes das aparições. Tiram fotos de Bernadette e vendiam por um franco cada. Ela riu e brincou: “Vendem as fotos por mais do que eu valho!” 
Humilhações e perseguições: Sofreu muitas perseguições do prefeito e autoridades de Lourdes por causa das aparições. Ele lhe disse: “Você aqui, descarada?” Ela respondeu: “Sim, senhor, estou aqui.” Ele disse: “Nós vamos te prender na cadeia.” Ela respondeu: “E que esteja bem trancada, senão eu fujo.” Em 1866, aos 22 anos, se tornou freira no convento da cidade de Nevers, França. Ela sentia falta de Lourdes e da gruta, mas dizia: “O tempo que temos no mundo pouco. É preciso que o usemos bem.” Havia religiosas que não gostavam de seu jeito natural, franco e sincero e não perceberam sua grande santidade. As madres lhe fizeram passar por várias e sofridas humilhações. Quando sua mãe morreu, ela disse: “Meu Deus, o Senhor quis! Eu aceito o cálice que me dá. Bendito seja o seu Nome!" Na morte do pai, nos contou: "Sempre tive uma grande devoção à Agonia de Nosso Salvador. No sábado à tarde, rezei a Jesus na Agonia por todos aqueles que iam morrer nesse momento, e foi precisamente no mesmo momento em que meu pai entrou na eternidade. Que alegria para mim se o tiver ajudado!” 
Doenças e sofrimentos: Sofreu de asma e outros problemas de saúde por toda a vida e oferecia tudo pela conversão dos pecadores. Ela dizia: “A Virgem quer que eu sofra. Eu preciso. Cura não é para mim. O Bom Deus sabe porquê. Tenho que ser vítima. Levarei com valentia e generosidade a cruz oculta em meu coração. Minhas armas são a oração e o sacrifício, que conservarei até o meu último suspiro. Somente então cairá a arma do sacrifício, mas a da oração me acompanhará até o Céu, onde será bem mais poderosa do que nesta Terra de exílio.” Uma irmã contou: “Bernadette tinha crises de asma, ataques de tosse que quase arrebentavam o seu peito. Mesmo vomitando sangue e sufocando, nunca deixava escapar nenhum lamento, nenhuma reclamação. Apenas olhava para o Crucifixo e dizia: ‘Meu Jesus.’” Bernadette ficava tão mal que recebeu a Unção dos Enfermos três vezes, sobrevivendo a todas. Após uma delas, brincou: “Estou melhor, o Senhor não me quis. Fui até a Porta Dele e Ele me disse: ‘Volta pra trás! Ainda é muito cedo!’” Quando ficava dias de cama, dizia: “Minha ocupação é sofrer. Esta cama e seu cortinado branco é a minha capela branca.” As irmãs diziam: "Não é bom ser Bernadette.” Noutra ocasião: "Quando a emoção é muito forte, recordo as palavras de nosso Senhor: ‘Sou eu, não tenham medo.’” 
Sinal da Cruz e coragem: Um dia, Bernadette mostrou à uma irmã que ela fazia mal o Sinal da Cruz: “É preciso ter atenção, pois fazer bem o Sinal da Cruz significa muito.”As irmãs diziam: “A maneira como ela fazia o Sinal da Cruz nos impressionava profundamente. Tentamos várias vezes fazer igual, mas não conseguimos. Ela fazia bem feito porquê Nossa Senhora fez o Sinal da Cruz na primeira aparição. Isso ficou em Bernadette por toda a vida.” Outra irmã disse: “Eu estava em Nevers havia três dias, e me fiquei admirada por ainda não reconhecer quem era a Bernadette. A superiora disse: “Bernadette? Olha ela aqui!” Eu exclamei: “Só isso?” Bernadette me respondeu brincando: ‘É verdade! Sou só isso!’ E depois disso, ficamos muito amigas.” Apesar de tanto sofrer, era a mais bem humorada e brincalhona de todas. Cuidava dos doentes e da sacristia com muito amor e paciência. Depois de uma oração, aconselhou: “Qualquer hora, cante: ‘Com minha mãe estarei.” Pedia sempre às irmãs para rezarem por ela: “Rezem por mim, pobre pecadora, principalmente na hora da morte.” Sobre as irmãs corrigirem seus defeitos: “Mas, como? Receber com tanta freqüência o Pão dos fortes e não ser mais corajosa?”  
Morte heróica: Suas doenças pioraram em 1878 com uma forte otite que lhe causou uma surdez temporária que lhe causou muito incômodo e um tumor nos ossos que doía muito. Foi totalmente entregue e paciente à vontade de Deus na doença. Oferecia tudo continuamente pela conversão dos pecadores conforme viu Nossa Senhora pedir. Ela rezou: "Ó Jesus! Ó Maria! Fazei que todo meu consolo neste mundo consista em amar-vos e sofrer pelos pecadores. Ó Jesus, mantenha-me sob a bandeira da tua Cruz. Que esse Crucifixo não esteja apenas em os meus olhos e no meu peito, mas no meu coração, vivendo em mim. Que eu seja um Crucificado vivo, transformado nele pela união com a Eucaristia, pela meditação sobre a sua vida e os sentimentos mais profundos do seu Coração, chamando as almas, não para mim, mas para Vós, do alto da Cruz, onde a vida e o amor me unem para sempre." Em março de 1879, recebeu a Unção dos Enfermos pela quarta vez e disse: “Peço perdão por todas as faltas à madre e a todas as minhas irmãs.” Na Semana Santa, de 6 a 13 de abril, disse: “Estou toda esfolada. Não tenho forças nem para respirar.” No dia 16 de abril de 1879, pediu apenas o Crucifixo: “Este me basta.” Olhou-o e segurou-o o tempo todo. Mas suas poucas forças deixava cair. Pediu que o amarrassem, dizendo: “Meu Jesus, quanto te amo!” Uma irmã lhe disse: “Você está na Cruz.” Outra irmã presente pediu para Nossa Senhora lhe dar consolo. Bernadette respondeu: “Não, consolo, não. Mas força e paciência.” Estava cheia de feridas nas costas que não podia nem deitar. Teve que dormir sentada numa poltrona. Sentindo imensas dores por todo o corpo dizia: “Estou sendo moída como um grão de trigo. Minha paixão vai durar até a morte.” Às três horas da tarde deu um grande grito: “Meu Deus!” As irmãs começaram a rezar o Terço. Bernadette respondeu com voz forte: “Santa Maria Mãe de Deus, rogai por mim pecadora, pobre pecadora!” Às 3 horas da tarde, como Jesus no Calvário, disse: “Tenho sede.” Fez um grande Sinal da Cruz, tomou algumas gotas de água e inclinando a cabeça, entrega docemente a alma aos 35 anos. Foi beatificada em 1925 e canonizada em 1933 pelo papa Pio XI. Seu corpo se encontra incorrupto até hoje, como muitos disseram, parecendo estar dormindo.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Cruz de Todos os Povos

A Cruz de Todos os Povos tem uma importante e bela mensagem. Ela deseja reunir e acolher todos os povos diante da Cruz de Jesus que acolhe todos com seu infinito amor. É uma espiritualidade pouco lembrada e que precisa ser mais divulgada. A primeira Cruz de Todos os Povos foi construída no Líbano, nesta região próxima da Terra Santa. Outra Cruz está no México e a próxima será construída em Divinópolis, Brasil. As construções da Cruz de Todos os Povos são aprovadas pela Igreja Católica e tiveram a bênção apostólica do Papa Bento XVI, do padre Gobbi do Movimento Sacerdotal Mariano, do Padre Jozo Zovko de Medjugorje, e muitos outros. Esperamos que muitas outras sejam construídas no mundo inteiro.

Cruz de Todos os Povos no Líbano:
Cruz de Todos os Povos em Divinópolis, Brasil:

sábado, 14 de janeiro de 2017

Oração, vida, Novena a São Sebastião

História e vida: São Sebastião nasceu em Narbonne, França, no ano de 256. Sua família foi para Milão e Roma, onde ele era cristão e quis se tornar soldado para se aproximar dos cristãos presos e martirizados.
Soldado: Era um ótimo soldado, por isso, os imperadores Diocleciano e Maximiano o elegeram capitão de sua guarda pessoal, chamada Guarda Pretoriana. Ele cumpria todos os deveres de soldado na cidade, mas em seu coração estava a fé em Jesus Cristo e o amor aos irmãos, procurando sempre viver o Evangelho. Em seu trabalho, praticava a Palavra de Deus ajudando a trazer a paz para a cidade. Muitas pessoas consolou com seu socorro de soldado, muitas brigas separou e a paz estabeleceu. Os cristãos eram perseguidos e martirizados de diferentes maneiras. As Missas eram celebradas nas catacumbas e outros lugares escondidos.  
Ajuda aos cristãos: Como soldado, Sebastião nunca dizia para seus imperadores que era cristão. Os cristãos eram presos e aguardavam o martírio na prisão. Como soldado, Sebastião aproveitou-se disso e os visitava e consolava na prisão. Em tantas ocasiões, encorajou os cristãos presos a superarem o martírio lhes dizendo que logo iriam para o Paraíso. Sebastião foi um consolo para os mártires nessas horas difíceis. Provavelmente, ele levou a Eucaristia para os cristãos na prisão e palavras dos sacerdotes que não podiam ir até ali. Provavelmente, os sacerdotes o tornaram sacristão e acólito para poder levar a Eucaristia aos necessitados e aos doentes. Sebastião também queria ser mártir um dia. E esse dia chegaria. 
Martírio e testemunho: O imperador Diocleciano, que tanto gostava de Sebastião, suspeitou que ele também fosse cristão e ele não negou. Mandou que ele fosse amarrado numa árvore e morto por flechadas. Os atiradores o abandonaram pensando que estivesse morto. Mas uma viúva que morava ali perto, Santa Irene, viu que ele estava vivo e cuidou dele até se recuperar. Dias depois, Sebastião voltou ao imperador, que ficou muito surpreso ao reencontrá-lo vivo, e novamente testemunhou sua fé e censurou a perseguição feita aos cristãos. O imperador mandou que Sebastião fosse morto a violentas pancadas e chicotadas. O fato ocorreu no dia 20 de janeiro de 288. Seu corpo foi jogado nos esgotos de Roma. Santa Luciana resgatou-o, limpou-o e o sepultou numa das catacumbas que leva seu nome e sobre a qual foi construída a basílica de São Sebastião na Via Appia. Protetor: São Sebastião é o protetor das guerras, da fome e das pestes.

Novena a São Sebastião:

Primeiro dia: (Salmo 18, 6-9) “Eu vos invoco, pois me atendereis. Senhor; inclinai vossos ouvidos para mim, escutai minha voz. Mostrai a vossa admirável misericórdia, vós que salvais dos adversários os que se acolhem à vossa direita. Guardai-me como a pupila dos olhos, escondei-me à sombra de vossas asas, longe dos pecadores, que me querem fazer violência. Meus inimigos me rodeiam com furor. Seu coração endurecido se fecha à piedade; só têm na boca palavras arrogantes. Eis que agora me cercam, espreitam para me prostrar por terra; qual leão que se atira ávido sobre a presa, e como o leãozinho no seu covil. Levantai-vos, Senhor, correi-lhe ao encontro, derrubai-o; com vossa espada livrai-me do pecador.”

Segundo dia: (Salmo 19, 1-4) “Eu vos amo, Senhor, minha força! O Senhor é o meu rochedo, minha fortaleza e meu libertador. Meu Deus é a minha rocha, onde encontro o meu refúgio, meu escudo, força de minha salvação e minha cidadela. Invoco o Senhor, digno de todo louvor, e fico livre dos meus inimigos. Circundavam-me os vagalhões da morte, torrentes devastadoras me atemorizavam. Enlaçavam-se as cadeias da habitação dos mortos, a própria morte me prendia em suas redes. Na minha angústia, invoquei o Senhor, gritei para meu Deus: do seu templo ele ouviu a minha voz, e o meu clamor em sua presença chegou aos seus ouvidos.”

Terceiro dia: (Salmo 19, 6-10) “Possamos nós alegrar-nos com tua vitória e levantar as bandeiras em nome de nosso Deus. Sim, que o Senhor realize todos os teus pedidos. Já sei que o Senhor reservou a vitória para seu ungido, e o ouviu do alto de seu santuário pelo poder de seu braço vencedor. Uns põem sua força nos carros, outros nos cavalos. Nós, porém, a temos em nome do Senhor, nosso Deus. Eles fraquejaram e foram vencidos, mas nós, de pé, continuamos firmes. Senhor, dai a vitória ao rei, e ouvi-nos no dia em que vos invocamos.”

Quarto dia: (Salmo 25, 3-6) “Fazei-me justiça, Senhor, pois tenho andado retamente e, confiando em vós, não vacilei. Sondai-me, Senhor, e provai-me; escrutai meus rins e meu coração. Tenho sempre diante dos olhos vossa bondade, e caminho na vossa verdade. Entre os homens iníquos não me assento, nem me associo aos trapaceiros. Detesto a companhia dos malfeitores, com os ímpios não me junto. Na inocência lavo as minhas mãos, e conservo-me junto de vosso altar, Senhor, para publicamente anunciar vossos louvores, e proclamar todas as vossas maravilhas. Senhor, amo a habitação de vossa casa, e o tabernáculo onde reside a vossa glória.”

Quinto dia: (Salmo 39, 8-11) “Então eu disse: Eis que eu venho. No rolo do livro está escrito de mim: fazer vossa vontade, meu Deus, é o que me agrada, porque vossa lei está no íntimo de meu coração. Anunciei a justiça na grande assembléia, não cerrei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis. Não escondi vossa justiça no coração, mas proclamei alto vossa fidelidade e vossa salvação. Não ocultei a vossa bondade nem a vossa fidelidade à grande assembléia.”

Sexto dia: (Salmo 39, 12-17) “E vós, Senhor, não me recuseis vossas misericórdias; protejam-me sempre vossa graça e vossa fidelidade, porque males sem conta me cercaram. Minhas faltas me pesaram, a ponto de não agüentar vê-las; mais numerosas que os cabelos de minha cabeça. Sinto-me desfalecer. Comprazei-vos, Senhor, em me livrar. Depressa, Senhor, vinde em meu auxílio. Sejam confundidos e humilhados os que procuram arrebatar-me a vida. Recuem e corem de vergonha os que se comprazem com meus males. Fiquem atônitos, cheios de confusão, os que me dizem: Bem feito! Bem feito! Ao contrário, exultem e se alegrem em vós todos os que vos procuram; digam sem cessar aqueles que desejam vosso auxílio: Glória ao Senhor.”

Sétimo dia: (Salmo 118, 33-41) “Mostrai-me, Senhor, o caminho de vossas leis, para que eu nele permaneça com fidelidade. Ensinai-me a observar a vossa lei e a guardá-la de todo o coração. Conduzi-me pelas sendas de vossas leis, porque nelas estão minhas delícias. Inclinai-me o coração às vossas ordens e não para a avareza. Não permitais que meus olhos vejam a vaidade, fazei-me viver em vossos caminhos. Cumpri a promessa para com vosso servo, que fizestes àqueles que vos temem. Afastai de mim a vergonha que receio, pois são agradáveis os vossos decretos. Anseio pelos vossos preceitos; dai-me que viva segundo vossa justiça. Desçam a mim as vossas misericórdias, Senhor, e a vossa salvação, conforme vossa promessa.”

Oitavo dia: (Salmo 130, 1-3) “Senhor, meu coração não se enche de orgulho, meu olhar não se levanta arrogante. Não procuro grandezas, nem coisas superiores a mim. Ao contrário, mantenho em calma e sossego a minha alma, tal como uma criança no seio materno, assim está minha alma em mim mesmo. Israel, põe tua esperança no Senhor, agora e para sempre.”

Nono dia: (Salmo 21, 15-20) “Não fiqueis longe de mim, pois estou atribulado; vinde para perto de mim, porque não há quem me ajude. Cercam-me touros numerosos, rodeiam-me touros de Basã. Contra mim eles abrem suas fauces, como o leão que ruge e arrebata. Derramo-me como água, todos os meus ossos se desconjuntam; meu coração tornou-se como cera, e derrete-se nas minhas entranhas. Minha garganta está seca qual barro cozido, pega-se no paladar a minha língua: vós me reduzistes ao pó da morte. Sim, rodeia-me uma malta de cães, cerca-me um bando de malfeitores. Traspassaram minhas mãos e meus pés: poderia contar todos os meus ossos. Eles me olham e me observam com alegria, Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sorte sobre a minha túnica. Porém, vós, Senhor, não vos afasteis de mim; ó meu auxílio, bem depressa me ajudai.”